Relembrando a Copa de 1986 - Parte V

Partes I, II, III, IV e V (os links abrirão em outra janela). 

Chegamos às quartas de final com confrontos bem interessantes. Dois deles, principalmente, Brasil x França, lembrando que os franceses eram os atuais campeões europeus, e Argentina x Inglaterra no primeiro confronto pós Guerra das Malvinas. Além, é claro dos donos da casa contra a Alemanha Ocidental e da Bélgica contra os vice-campeões europeus, Espanha.



Nos dois últimos confrontos, vitória dos alemães e belgas nos pênaltis após empates por 0 x 0 e 1 x 1, respectivamente. Nada de anormal, afinal, o futebol mexicano não era tão forte quanto é hoje e os belgas tinham uma seleção de respeito.

Quanto à Brasil x França e Argentina x Inglaterra... Bem, suas histórias todos já conhecem. Estão entre as mais comentadas na História das Copas.

Comecemos por Brasil x França. Que jogo! Futebol ofensivo de ambos os lados, bola na trave, pênalti perdido no tempo normal, por Zico... o 1 x 1 foi um placar até magro. Nos pênaltis, vitória dos franceses com direito ao insólito lance da bola batendo na trave, nas costas do goleiro Carlos e entrando. A título de curiosidade, esse jogo ocorreu no dia 21 de junho, aniversário do Tricampenato de 1970 e de Michel Platini.





Copa dos Campeões Mundiais de 1995, 1996 e 1997

A Copa dos Campeões mundiais foi um torneio organizado pelo SBT reconhecido pela CBF de tiro curto como muitos dos realizados nos anos 90 e que eram uma grande atração nas noites de nossas TVs.

Participam os clubes brasileiros vencedores da Copa Intercontinental UEFA/Conmebol. No caso, Santos, Grêmio, Flamengo e São Paulo. As três edições tiveram exatamente a mesma fórmula. Uma fase inicial em turno único de todos contra todos, com os dois primeiros fazendo uma final. 



A edição de 1995 ocorreu em Uberlândia e Brasília. Após os seis jogos da fase inicial, Santos e São Paulo avançaram para a final, com este último se sagrando campeão nos pênaltis após um 0 x 0. Detalhe para a reportagem abaixo. Vinculada na Globo, apesar do torneio ser organizado pelo SBT e tendo transmissão do canal de Silvio Santos.



Relembrando a Copa de 1986 - Parte IV

Partes I, II, III, IV e V (os links abrirão em outra janela). 

Após um longo hiato, vamos iniciar nossos relatos sobre a fase final da competição.

Nas oitavas, nenhuma surpresa, à exceção da eliminação da Dinamarca. Nem foi pela eliminação em si, mas pela forma como ocorreu, com uma sonora goleada para a Espanha por 5 x 1.




Destaque também para o clássico sulamericano, Argentina 1 x 0 Uruguai; para o que foi um dos melhores jogos da Copa, Bélgica 4 x 3 União Soviética; para a festa dos donos da casa, eliminando a Bulgária por 2 x 0; bem como para a apertadíssima vitória da Alemanha Ocidental frente ao Marrocos por 1 x 0 em um gol espírita no finalzinho do jogo.

Argentina 1 x 0 Uruguai



 Bélgica 4 x 3 União Soviética



Alemanha Ocidental 1 x 0 Marrocos



México 2 x 0 Bulgária




Além desses jogos, a Inglaterra venceu o Paraguai por 3 x 0 e o Brasil, com um futebol que começava a convencer, eliminou a Polônia após um 4 x 0. 

Inglaterra 3 x 0 Paraguai



Brasil 4 x 0 Polônia





Em breve as quartas de final.

Relembrando a Copa de 1986 - Parte III

Partes I, II, III, IV e V (os links abrirão em outra janela). 

Chegamos então a terceira parte. Na primeira falamos sobre as eliminatórias e na segunda sobre alguns grupos (clique nos links acima para vê-las. Elas abrirão em outra janela). Faltavam dois, o do Brasil e o da Dinamarca. 

O grupo E contava com Dinamarca, Alemanha Ocidental, Uruguai e Escócia. Em sua primeira Copa do Mundo, claro que a Dinamarca seria o azarão. Em sua primeira partida de Copa, venceram a Escócia por 1 x 0. Placar até normal, você diria, mas o que falar dos 6 x 1 metidos no Uruguai na segunda rodada e dos 2 x 0 enfiados na vice campeã Alemanha Ocidental?


Não por menos, o apelido de Dinamáquina!!! Um futebol ofensivo e envolvente, mas frágil defensivamente, o que acabaria gerando um preço que veremos na próxima parte.

Três vitórias e o primeiro lugar no grupo. Alemanha Ocidental e Uruguai se classificaram, com os alemães em segundo e os uruguaios em terceiro e a Escócia eliminada.

Dinamarca 6 x 1 Uruguai



Dinamarca 2 x 0 Alemanha Ocidental



E o grupo do Brasil?

Relembrando a Copa de 1986 - Parte II

Partes I, II, III, IV e V (os links abrirão em outra janela). 

Na postagem anterior falamos sobre as eliminatórias e suas curiosidades. Infelizmente me esqueci de citar a heroica classificação portuguesa, que já foi alvo de postagem aqui no blog (clique aqui para ler).

Isto posto, chegamos à Copa. Seis grupos cada um com quatro seleções. No Grupo A ficaram a que viria a ser a campeã da copa Argentina, a campeã da edição anterior Itália, Bulgária e Coreia do Sul. Os coreanos foram desclassificados, com os argentinos passando em primeiro, os italianos em segundo e os búlgaros como uma dos melhores terceiros colocados. Neste grupo, destaque, obviamente, para o clássico Argentina e Itália. O jogo ocorreu na segunda rodada e terminou empatado por 1 x 1. Maradona marcou seu primeiro gol no torneio, o único na primeira fase da competição.



 


Relembrando a Copa de 1986 - Parte I - Fatos e curiosidades das eliminatórias

Partes I, II, III, IV e V (os links abrirão em outra janela).  

Vamos falar sobre a Copa que ficou conhecida como "A Copa dos Golaços"! Obviamente, essa postagem será dividida em partes cujos links serão disponibilizados ao final de cada uma delas. 

Como vocês provavelmente sabem, inicialmente essa edição deveria ter ocorrido na Colômbia, todavia, devido a problemas financeiros, o comitê organizador desistiu, deixando um abacaxi para a FIFA descascar. A entidade então ofereceu a Copa ao Brasil que declinou, oferecendo, ainda aos Estados Unidos, que já visavam 1994 e, portanto, também declinaram. Finalmente, o México aceitou organizar de última hora o torneio. 


Já não bastasse toda a dramaticidade em organizar um evento desse quilate em pouco tempo, um ano antes a Cidade do México foi abalada por um terrível terremoto que atingiu 8,3 na Escala Richter (que vai até 9)!!! (Saiba mais: https://pt.wikipedia.org/wiki/Sismo_da_Cidade_do_M%C3%A9xico_de_1985)

Iraque, Canadá e Dinamarca jogariam a copa pela primeira vez. Falaremos mais adiante sobre as eliminatórias europeias, asiáticas e da Concacaf.

Por agora, vamos falar da Conmebol. As 10 seleções foram divididas em 3 grupos. O Grupo 1 tinha Argentina, Colômbia, Peru e Venezuela. A Argentina ficou em primeiro e se classificou diretamente, Colômbia e Peru passaram para a segunda fase e a Venezuela foi eliminada. O Grupo 2 contou com Uruguai, Chile e Equador. O Uruguai avançou em primeiro, o Chile ficou em segundo e foi para a segunda fase e a Bolívia foi eliminada. O Brasil ficou no grupo 3, ao lado do Paraguai e Bolívia. O Brasil avançou em primeiro, o Paraguai foi para a segunda fase e a Bolívia foi eliminada.

Eliminatórias como devem ser, enxutas! Argentina, Brasil e Uruguai já classificados. Se hoje as coisas estão bem mais próximas, naquela época as forças eram bem definidas. As seleções que lutavam para ser a quarta força do continente jogariam o playoff e a última vaga. Chile x Peru e Paraguai x Colômbia, com os chilenos e paraguaios avançando. Na decisão, o Paraguai foi amplamente superior e se classificou para sua segunda copa após vencer a primeira partida em Assunção por 3 x 0 e empatar por 2 x 2 em Santiago. Festa nos país Guarani! Desde 1958 os paraguaios não jogavam uma copa.




Fatos e curiosidades das eliminatórias para a Copa de 1990.

Já discutimos aqui no Blog os jogos do Brasil nas eliminatórias para a Copa de 1990. O assunto foi tratado na primeira parte da da postagem sobre a Copa (clique aqui para ver).

Sem sombra de dúvidas, o fato mais sui generis dessas eliminatórias foi o episódio da Fogueteira e do goleiro chileno Rojas. Rosenery Mello, a Fogueteira, chegou a posar para a Playboy.


Mas outras coisas interessantes ocorreram.

Na América do Sul, vale lembrar que a Argentina, campeã da edição anterior, já estava classificada automaticamente, logo, apenas 9 seleções disputaram. Elas foram divididas em 3 grupos com 3 seleções cada. Jogos em turno e returno, de modo que cada seleção jogou quatro vezes. Bem diferente das inchadas eliminatórias atuais.

Os dois melhores primeiros colocados se classificaram diretamente, com o terceiro melhor colocado se classificando para uma repescagem. No Grupo 1 ficaram Uruguai, Peru e Bolívia. No Grupo 2, Colômbia, Paraguai e Equador. No 3, Brasil, Chile e Venezuela.

A redentora classificação colombiana:

Brasil e Uruguai se classificaram diretamente e a Colômbia após repescagem com Israel, que na época era filiada à Oceania. Apesar de ter uma boa seleção, o confronto não foi fácil para os colombianos. Vitória apertada por 1 x 0 em Barranquilla e empate por 0 x 0 em Ramat. Foi o retorno da Tricolor à uma Copa após sua última participação até então, em 1962 no Chile. Por isso, a classificação foi muito festejada.




Batalha Campal: Guarani x Corinthians - Brasileiro de 1994

O dia era 12 de outubro, Brinco de Ouro, Campinas. Em campo, Guarani e Corinthians jogariam pelo primeiro turno da segunda fase do Campeonato Brasileiro. O Corinthians sai na frente, mas toma a virada. 


Nas arquibancadas, os corintianos encontram-se espremidos em um trecho de arquibancada atrás de um dos gols. Como muitos alvinegros ainda não haviam entrado no estádio, a PM resolve acomodá-los em um pequeno espaço na arquibancada superior do estádio. O problema é que ela já estava tomada, em sua maior parte, por bugrinos.

Claro que não ia dar certo...



Alemanha x União Soviética 1991: A única vez que a URSS enfrentou a Alemanha reunificada.


Dia 27 de março de 1991, no Waldstadion em Frankfurt am Main, Alemanha.

Aliada dos rivais soviéticos na Guerra Fria, a Alemanha Ocidental já havia realizado onze jogos contra a URSS, mas essa seria a primeira e única vez que o "Exército Vermelho", alcunha da seleção soviética, iria enfrentar a Alemanha unificada.

Todos os gols ocorreram no segundo tempo da partida. Aos 20 minutos (65') Stefan Reuter abriu o placar para os alemães, Aos 36 (81') Lothar Matthäus ampliou para os donos da casa, finalmente, dois minutos depois (83'), Igor Dobrovolskiy de pênalti descontou e o jogo terminou 2 a 1 para a então seleção campeã do mundo.

As semifinais dos Jogos Olímpicos de 1980 em Moscou


O futebol nos jogos de 1980 contaram com quatro seleções socialistas na semifinal do torneio. Mas numa análise fria, conseguimos entender os motivos. Esses jogos contaram com o boicote liderado pelos Estados Unidos em protesto à invasão do Afeganistão pela União Soviética. Com isso, grandes seleções europeias ficaram de fora.

Além disso, quando olhamos os classificados sul americanos percebemos o porquê do fraco desempenho do continente. A Argentina, campeã do pré-olímpico, aderiu ao boicote dos Estados Unidos e o terceiro colocado Peru, também o fez, sobrando a segunda vaga para a Venezuela, que se juntou aos vices do pré-olímpico, Colômbia.

As quartas de final foram as mais previsíveis da história olímpica, com União Soviética e Kuwait, Tchecoslováquia e Cuba, Alemanha Oriental e Iraque e Iugoslávia e Argélia.

No dia 29 de julho adentraram nos gramados dos estádios Luzhniki e Dynamo, ambos em Moscou, respectivamente, Alemanha Oriental e União Soviética e Iugoslávia e Tchecoslováquia. Vitórias alemã por 1 a 0 e tchecoslovaca por 2 a 0.

Na disputa pelo bronze, no dia 1 de agosto no estádio Dynamo, a seleção da casa venceu a Iugoslávia por 2 a 0.




No dia seguinte, no estádio Luzhniki, a Tchecoslováquia bateu a Alemanha Oriental por 1 a 0.


Tchecoslováquia ouro, Alemanha Oriental prata e União Soviética bronze.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...Poderá também gostar de: